Welcome to my world…

 

vic na flor de lotus com bolinhas

Art by Bia Watanabe.

Advertisements

Como eu parei de “forçar a barra”

Eu não forço mais a barra para nada.
Não preciso agir com esperteza com o intuito de levar vantagem.

Hoje eu sei que tudo que é para mim vem naturalmente. Mesmo que a princípio pareça pouco provável. Acho que vou colecionar os exemplos e colocar aqui.
Um deles foi quando eu trouxe o creme de minha irmã para casa de meus pais semana passada e ela falou que iria levá-lo de volta. Quando ela estava se arrumando para viajar, pensei que, espertamente, eu poderia não lembrar a ela do creme e, como ela geralmente esquece das coisas, o creme ficaria para mim. Mas não. Imediatamente pensei que não preciso disso mais. Que agindo com integridade e sem forçar a barra, eu poderia ficar com o creme. E se não ficasse, tudo bem. A vida me dá naturalmente o que eu preciso e me livra, também naturalmente, do que eu não preciso. E assim foi… Avisei a minha irmã para ela não se esquecer do creme. E ela falou:”É verdade!”. E pronto. Fiquei tranquila. Aceitando que teria de usar outro creme.

No outro dia, antes de ela ir embora, ela solta um: “Eu vou deixar o creme aí pra você.” E assim o fez. E estou usando o creme. E não precisei agir com sagacidade. Com esperteza. Não precisei forçar a barra.
E assim tem acontecido com inúmeras coisas.

O meu primeiro impulso sempre é agir como se eu vivesse na escassez e precisasse usar da esperteza para o tempo todo pensar em maneiras de estar numa melhor… de levar a melhor. No “modo sobrevivência”. Sempre alerta a possíveis ameaças ou possíveis oportunidades. Mas de um lugar de falta. De um lugar de competição. De um lugar de inquietação.
Mas logo em seguida eu reconecto com a sabedoria universal. A consciência da unidade. A inteligência primordial que tudo rege. E relembro que eu não preciso agir com sagacidade. Com tensão. Eu posso agir com sinceridade. Com honestidade. Com integridade. Com amor.

Relaxadamente.

Eu tudo que for para ser meu será.

O lema é:
Aja com os outros da maneira que você quer que os outros ajam com você.

Instead of whatsapp. Create

I have been running from the writing lately. Running from myself.

Thinking about the writing as something that take my time from work. Because I lose myself when I am typing these words. My word become only me and the computer.

But what I realize is that I spend my time “off” checking constantly the whatsapp, facebook and instagram. Seeing if someone else liked my videos or if someone has sent me a new message… what a waste of time. But it is ok. Everything comes as a lesson in life. And now I see that I use my time much more wisely if I simply give myself up to who I really am. It much more fuIfilling and does not create anxiety.

So, if I am feeling like giving a break, I just have to come to myself, my thoughts and my feelings and let them speak through my fingers.

Step 1: Remove the blog page from the sites to be blocked while I am working. 🙂

Template para tese da Coppe/UFRJ em Latex

Ola gente, alguns ja conhecem o portal do projeto Coppetex (http://coppetex.sourceforge.net/download.html).

coppetex-logo

So que os arquivos atualizados do template nao estao disponiveis no site. Eh preciso clicar no link downloads archive para acessa-lo (coloquei link direto para o site dos arquivos, assim como esta no portal Coppetex). Esse post visa criar um caminho adicional para acessar essas informacoes. Estou compartilhando porque bati um pouco a cabeca para conseguir encontrar os arquivos de 2016. Alias, gratidao aas pessoas que atualizaram 🙂

Beijos e sucesso. ❤

Quando bate uma sensação de poder

Eu posso tudo.

É a sensação que corre em meu corpo nesse momento.

Tenho vivido dias em que alterno entre a consciência de que estou fazendo o que posso e as sensações de angústia, incerteza, desmotivação, medo do fracasso e medo do julgamento alheio.

Nesse preciso momento me veio a constatação de que eu não preciso do doutorado para concluir o projeto que estou realizando. Que eu posso viajar. Fazer meus trabalhos de campo. Minhas pesquisas, entrevistas e cálculos sem necessariamente estar associada a um doutorado. O que me impede?

Junto com essa constatação veio a percepção de que não preciso da permissão de ninguem para viver da maneira que eu quiser. E de que tenho inteligência suficiente para fazer da minha vida  o que eu bem entender. Basta eu querer. O segredo esta em eu saber o que eu quero. Ou pelo menos em eu saber genuinamente o que preciso fazer no momento presente. Porque ultimamente a duvida é minha maior companheira. rsrs

Conheço melhor quem eu sou mas não estou certa de para onde vou.
Se eu for seguir a minha intuicao, largo tudo e me jogo na estrada. Só que sei que tenho uma missão. Eu não estou aqui por acaso. E não vim sozinha na vida (na real ng veio). Mas se eu estou aqui é pq é para eu estar aqui. Agora, se eu estou fazendo o que eu deveria estar fazendo e como deveria estar fazendo, já são outros 500.
Meu tesão pelo meu trabalho é ZERO. Na real não é zero. Eu curto o que estou fazendo. Mas eu tenho horror a fazer as coisas de qualquer jeito. Essa não sou eu. E no presente momento estou muito dispersa no mundo da minha espiritualidade para ter cabeça para fazer qualquer outra coisa. Estou fazendo as coisas de qualquer jeito. Sinceramente. E é difícil eu levar as coisas a sério desse jeito. Parece que eu sei que é uma brincadeirinha. hahahah Na moral. Porque com a vida que vivi. Com as coisas que realizei até aqui não é possível que eu vá concluir esse doutorado dessa maneira. huahuahauha Me dá vontade de gargalhar na moral.

Coisas importantes passam ao largo. Estou desatenta. Só vivo de risadas, música e diálogos. Sem levar nada a sério. Começando por mim mesma. rsrs
Vivo para sentir e me conectar com as pessoas. Amando. E só.

Bom, pelo menos agora estou num momento de poder. De despreocupação. Vendo que o problema é justamente eu me preocupar.

EU NÃO PRECISO ME PREOCUPAR. JAMAIS. Eu sou capaz de realizar o que eu quiser.

A preocupação é que é a fonte de meus problemas. Eu só preciso viver. Viver as experiências. Aprender. Crescer…

EU VIM PRONTA. NASCI PRONTA. VIVI PRONTA. E ESTOU PRONTA. SEMPRE.

Simbora.

Sendo assim…

Eu o amo…

E esse amor so tem a ver com o que vejo e sinto nele a partir do que eu trago em mim.

Sendo assim…

Eu nao preciso reagir.

Eu so preciso ser…

Eu nao preciso me afligir.

Eu so preciso entender…

Que o que me encanta nele ja existe em mim.

Assim como o que me incomoda nele tambem esta aqui.

Sendo assim…

Cabe a mim…

…nesse interim…

Apenas reconhecer, acolher, aprender e sentir. 🙂

Me atualizando. Me pacificando.

Eu pensava que eu era uma mulher negra, herdeira de uma historia de escravidao, fadada a lutar por um lugar ao sol, empenhada em fazer pelos meus.

Via no estudo o caminho de ascencao socio-intelectual-financeira.

Me sabia com a missao de contribuir para a libertacao psico-socio-economica do POVO PRETO (sem saber que eu tinha mesmo era de me libertar primeiro).

Por um bom tempo eu passei a viver em guerra.

E esse foi o principio do fim.

Confusao com o ego.

Muita importancia depositada no mundo externo…

E hoje nao sei quem sou para alem de um espirito em busca de Luz.

Em resgate da plenitude interior refletida na paz inabalavel e no amor incondicional.

A vida descortinou-se e eu perdi o interesse na ilusao.

Perdi o interesse de viver na matrix. Ou melhor, para a matrix.

Hoje vivo me arrastando para fechar essa pagina da vida na matrix. E me libertar.

E apenas ser. E apenas amar. E me manifestar.